6/15/2009

A pedido, o texto sobre a MORTE...





O objectivo era este: Em 100 palavras escrever um texto sobre a MORTE.

Palavras proibidas:

MAS ESTAVA NÃO ENQUANTO MEDO TAMBÉM SENTIR

Manuel olhou as pessoas em volta, quietas e tristes, e fixou os olhos no teto amarelado da pequena sala.

Gostava daquele lugar e do que ele representava.
Mesmo naquele dia especial, agradáva-o ter que estar ali.
Preferia que fosse ali, até.
Era fresco, arejado, era a sua casa.
Toda a sua vida convivera com aquilo.
Solidão, lágrimas, luto, o cheiro doce e enjoativo das flores e das velas.
Porém, naquela tarde chuvosa, a rotina pareceu-lhe diferente.
Pela primeira vez ele vestia preto e deixara a sua pá no armário.
Hoje, cavar ficaria a cargo de outras pessoas.
Ver o lado bom das coisas, era o seu lema.
Mesmo de dentro daquele caixão duro.

3 comentários:

graça correia disse...

Não é propriamente um comentário: é um excerto da "minha morte".
(...) A primeira vez que morri, por desconhecimento, pedi ao barqueiro bilhete de ida e volta (...)"Há séculos que aqui faço este trabalho forçado, e só vi voltar de lá Um"(...)
Da segunda vez(...) era preciso esperar pelo substituto ou ir de livre vontade a nado. Optei por esta última hipótese, apesar da turvação e pestilência das águas. Deixei-me levar pela corrente, e foi a minha sorte:alcancei um destino diferente(...)

Leila disse...

Graça, deixa aqui o texto da tua "morte" inteiro !! É maravilhoso !!

graça correia disse...

Logo que ressuscite novamente, vou aqui deixar toda a minha experiência nesta matéria ("a minha morte"),sempre incompleta...